Magnésio, um metal em baixa!

O magnésio é o mineral que representa a vida, ocupando o quarto lugar em abundância em nosso organismo. Além de ser um mineral, o magnésio é também um eletrólito, com influência direta sobre a atividade elétrica do organismo. Sem eletrólitos como o magnésio, não há contratura muscular, inclusive do coração, e o cérebro não recebe nenhum sinal elétrico. Sem mais, precisamos de magnésio para nos mantermos vivos.

O magnésio é um cofator em mais de trezentas reações químicas no organismo, necessárias para a transmissão de impulsos nervosos, regulação da temperatura, desintoxicação do fígado, e a formação dos ossos e dentes.

Segundo Pelton em 2011, O magnésio pode cumprir o papel de muitos medicamentos cardíacos comuns: inibe a formação de coágulos sanguíneos (como a aspirina), reduz os fatores de coágulos (como a Warfarina), bloqueia a captação de cálcio (como nifedipina, Procardia) e relaxa os vasos sanguíneos (como os inibidores da ECA, tais como Vasotec).

Sua deficiência também ocasiona sintomas muito comuns, como por exemplo, dor muscular, constipação, aumento da pressão arterial, ansiedade, depressão, insônia, fadiga, distúrbio do sono, câibras, cefaleia, tendinites, e outros.

Tensão pode ser devido a deficiência de magnésio. Se você não pode relaxar ou não pode parar – pense magnésio!

Pacientes com doenças crônicas se beneficiam com a suplementação de magnésio. Isso ocorre porque a doença crônica é igual a estresse, e o estresse esgota o magnésio.

Por que não diagnosticamos níveis baixos de Magnésio no sangue?

A homeostasia do magnésio no sangue periférico é mantida por vários mecanismos eficientes, pois a queda deste representa uma parada cardíaca. Para manter essa homeostasia perfeita, recrutamos magnésio das células, tecidos e ossos, a fim de manter os níveis sanguíneos sempre constantes. Se você fizer um exame de sangue para quantificação do magnésio, mesmo as células podendo estar completamente necessitadas, os níveis sanguíneos se mostrariam constantes. 99% do magnésio do corpo localiza-se nas células, tecidos e ossos, e apenas 1% no sangue.

Qual o motivo da deficiência do magnésio?

O mais importante é a alimentação/absorção, seguido do consumo exagerado deste mineral em função do stress (hormônio do stress consome magnésio para sua síntese), do elevado consumo de açúcar que necessita do magnésio para processá-la, e não mais importante pelo esgotamento ocasionado por fármacos e compostos de estrogênio, tais como contraceptivos orais, antibióticos, cortisona, prednisona, e medicamentos para pressão arterial.

Também preciso dizer que o flúor, iodo, bromo e o magnésio competem pelo mesmo receptor para serem absorvidos, e o Fluor encontra-se em vantagem.

O açúcar é o principal causador, pois para cada molécula de açúcar que consumimos, ela arrasta mais de 50 vezes a quantidade de magnésio para fora de seu corpo.

Reeducação alimentar, associada ao controle do stress e suplementação adequada, garantem a homeostasia deste mineral e melhora da qualidade de vida dos pacientes.

Compartilhe este post.