Terapia de Células Tronco na ortopedia, atualidades!

As Células-tronco, são células retiradas do próprio paciente e processadas para serem selecionadas e concentradas para posterior aplicação no local lesionado.

As células tronco são cultivadas, multiplicadas e ao fim de alguns dias, pode-se obter milhões de células. O processo de crescimento celular depende da capacidade de reprodução celular de cada um, e isso depende da saúde geral do paciente.

Existem alguns tipos de células tronco, como por exemplo as Mesenquimais, MUSE cells, iPS, VSEL entre outras. As células tronco Mesenquimais, são uma população de células do estroma do tecido (parte que dá sustentação às células), que têm a capacidade de se diferenciar em diversos tecidos. Em adultos, residem principalmente na medula óssea e no tecido adiposo.

Devido à capacidade de proliferação, regeneração e produção de vários tecidos, detêm uma grande promessa para o tratamento das lesões da cartilagem articular, artrose e lesões tendinosas.

Desde os primeiros estudos com células-tronco Mesenquimais em seres humanos, os resultados estão cada vez mais surpreendentes.  O problema é que o número de células tronco diminui com a idade. No recém-nascido encontramos 1 célula Tronco em cada 10 mil células, enquanto aos 80 anos é 1 a cada 2 milhões.

Segundo Joseph Purita (diretor do IRMO – The institute of Regenerative and Molecular Orthopedics em Boca Ratón na Flórida/US) as células tronco necessitam de uma informação para se diferenciarem nas células que desejamos.

A legislação do CFM (Conselho Federal de Medicina) e ANVISA, ainda não permitem a utilização de células tronco no Brasil, exceto para fins de científicos. A boa notícia é que já existem no país, laboratórios com tecnologia de ponta e liberados pela ANVISA, que já estão coletando e expandindo células Mesenquimais para números desejados.

Compartilhe este post.